Virginie Despentes, Angélica Freitas… e minha tese?

(lire en français)

Virginie Despentes diz:

eu escrevo do lugar das feias, para as feias, as velhas, as caminhoneiras, as frígidas, as mal comidas, as não comíveis, as histéricas, as taradas, todas as excluídas do grande mercado da mulher boa  ((todas as traduções dos trechos de Virginie Despentes, são de minha autoria )) 

Angélica Freitas responde:

porque uma mulher boa

é uma mulher limpa

e se ela é uma mulher limpa

ela é uma mulher boa

 E eu: decidi escrever meu primeiro post fazendo de conta que eu não estou falando de meu tema de tese, sendo que, a gente bem sabe, quando somos doutorando.a.s a gente tem a impressão de que tudo toca em nosso tema de pesquisa.

Visto que minha tese se concentra em torno dos discursos produzidos na França e no Brasil sobre nós, brasileiro/a/s, e que eu estou a todo instante fazendo essa viagem entre a França e o Brasil através dos pesquisadore/a/s de lá e de cá, eu escolhi registrar aqui a descoberta que eu fiz de duas mulheres impressionantes e que, talvez elas não saibam, mas que dialogam, e tem muito inspirado meus pensamentos de doutoranda ao longo desses primeiros meses da minha estada aqui na França.

A primeira, Virginie Despentes e seu livro (e que livro!) que se chama “King Kong Théorie”. “Ele é formidável, esse livro, você tem que lê-lo”, diz minha orientadora, Marie-Anne Paveau, assim que eu cheguei na França, e ela tinha toda a razão.

A segunda se chama Angélica Freitas, uma brasileira que publicou um livro de poemas (e que livro esse também!), intitulado: « Um útero é do tamanho de um punho »No post em francês, do qual este é uma tradução, eu traduzi uns trechos dos poemas da Angélica (e com a permissão dela, graças ao facebook).

 

https://www.flickr.com/photos/faceme/5760722799/in/photostream/
 

As duas falam de coisas, cada uma a seu modo, que a meu ver se aproximam. É o que tento mostrar aqui.

Há vários aspectos interessantes, mas por exemplo, elas se situam em relação a um discurso que põe em destaque a relação corpo/gênero. E, considerando-se que se tratam de discursos produzidos um no Brasil e outro na França, um em francês, o outro em português, isso me permite pensar que são discursos/dizeres que circulam nessas duas culturas linguísticas, nesses espaços discursivos que me interessam diretamente para a tese.

Podemos ver esse primeiro aspecto no poema Uma mulher limpa que Angélica escreveu :

porque uma mulher boa

é uma mulher limpa

e se ela é uma mulher limpa

ela é uma mulher boa

há milhões, milhões de anos

pôs-se sobre duas patas

a mulher era braba e suja

braba e suja e ladrava

porque uma mulher braba

não é uma mulher boa

e uma mulher boa

é uma mulher limpa

há milhões, milhões de anos

pôs-se sobre duas patas

não ladra mais, é mansa

é mansa e boa e limpa

uma mulher muito feia

era extremamente limpa

e tinha uma irmã menos feia

que era mais ou menos limpa

e ainda uma prima

incrivelmente bonita

que mantinha tão somente

as partes essenciais limpas

que eram o cabelo e o sexo

mantinha o cabelo e o sexo

extremamente limpos

com um xampu feito no texas

por mexicanos aburridos

mas a heroína deste poema

era uma mulher muito feia

extremamente limpa

que levou por muitos anos

uma vida sem eventos

uma mulher sóbria

é uma mulher limpa

uma mulher ébria

é uma mulher suja

dos animais deste mundo

com unhas ou sem unhas

é da mulher ébria e suja

que tudo se aproveita

as orelhas o focinho

a barriga os joelhos

até o rabo em parafuso

os mindinhos os artelhos

 Um segundo ponto que eu acho interessante, e que não se mostra de modo separado do primeiro que acabo de evocar, é o das normas corporais, ligadas a uma certa moral discursiva, que eu posso exemplificar com a lista de adjetivos axiológicos sobre o corpo. Ainda que os discursos axiológicos não sejam sempre marcados diretamente na língua ( isto na perspectiva da análise do discurso, que é onde me posiciono para pensar a língua) e que isso, uma vez admitido enquanto elemento a ser integrado na análise, resta um ponto difícil de traçar no discurso, posso exemplificar esse ponto, referente a esse tipo de discurso que traz em si um « julgamento », com os adjetivos que figuram no texto acima mostrado, esses adjetivos evocam posicionamentos discursivos.1

“as feias” / “as velhas” / “as mal comidas” / “uma mulher boa” / “uma mulher limpa” / « uma mulher suja” / “mulher embriagada” / “boa fêmea” / “as não-comíveis” / “as caminhoneiras” / “as histéricas”, etc.

Posso também ilustrar esse segundo ponto com o que diz Virgínia Despentes, quando ela fala da utilização de tantos discursos e adjetivos sobre  as « mulheres », ao apontar que:

Não somos nem mesmo estrangeiras: somos legendadas o tempo todo, porque não  sabemos o que temos para dizer […]

[…] ouviríamos falar de seu físico, e de sua vida familiar, nos detalhes os mais sórdidos, e de seus complexos, e de seus problemas…

O terceiro ponto que eu escolhi para discutir é o que eu identifiquei como um discurso raivoso (ou que evoca a raiva, a braba, a cólera, a ira) : seja na forma como se exprime Virginie Despentes (e claro que ao identificar esse aspecto, eu ponho mais abertamente e diretamente meus imaginários e minha subjetividade),

Eu não estou furiosa contra eu mesma em não ter ousado matar um deles. Eu estou furiosa contra uma sociedade…

Estou sobretudo louca de raiva 

Seja em várias menções nos poemas de Angélica Freitas, onde ela diz

porque uma mulher braba

não é uma mulher boa

CC by JrP sur son compte flickr https://www.flickr.com/photos/ugardener/
CC by JrP sur son compte flickr https://www.flickr.com/photos/ugardener/ 

minhas decisões de interpretação

A partir daí, eu me ponho algumas questões:

  • Haveria uma relação entre « corpo/gênero » e esses elementos prédiscursivos que seriam « compartilhados » entre esses dois países, entre essas duas « culturas », entre « essa parte da população» ? Seria possível traçar isso numa perspectiva comparativa?

Trata-se de um aspecto que me interessa pois, haja vista que tento em minha tese « comparar » os discursos gendrados sobre o Brasil e sobre o.a.s brasileiro.a.s, que circulam aqui e lá, isto implica dizer que eu levo em conta também – indiretamente, eu diria – os discursos sobre si mesmo.a, sobre a relação que se tem com seu próprio corpo, com valores atribuídos aos gêneros em cada sociedade.

  • Esses dois textos permitem pensar que esses « enunciados morais» mostrariam discursos gendrados ? Ou seja, discursos que não carregam os mesmos valores ao tratarem de um corpo feminino ou masculino.

Sobre essa questão, gosto nos dois textos do que percebo como indicações « não gendradas », ou ainda de sinalizações da possibilidade um discurso ou de uma linguagem « neutra », ou seja aquilo que nos movimentos e estudos de gênero, passa pela corrente queer e que prefere, a partir por exemplo da tomada da palavra trans* nos movimentos de « gênero », tomar posicionamentos não-binários (gênero-sexo ou gênero-sexualidade), não-dualistas. Podemos observar esse posicionamento no que diz Virginie Despentes sobre o « king kong »:

Esse Kink Kong não tem nem pênis, nem bolas, nem seios. Nenhuma cena nos permite lhe atribuir um gênero. Ele não é nem macho, nem fêmea. Ele é apenas peludo e negro. […] King Kong funciona aí como a metáfora de uma sexualidade antes da distinção dos gêneros tal qual imposta politicamente em torno do fim do XIX século. King Kong está além do homem e do animal, do adulto e da criança, do bom e do mau, do primitivo e do civilizado, do branco e do preto. Híbrido antes de qualquer obrigação do binário.

 Isto também se vê nas sugestões de uma não-relação binária gênero/sexualidade no texto da Angélica Freitas, do qual eu mostro um trecho no fim deste post. Isto quer dizer que nos textos de Angélica Freitas não se vê pontes diretas entre o gênero « mulher » e uma sexualidade, não se vê tampouco marcações do gênero « mulher » e um sexo biológico.

  • Enfim, e no que concerne a raiva?

Eu a tomo, essa raiva, como minha contribuição, sub-reptícia e independentemente de mim, e da qual eu tento dar conta, em minha própria pesquisa, como uma confissão. A raiva está na base de qualquer descrição, análise e interpretação que eu tenha feito ou venha fazer ao longo da tese2


Ainda que não façam parte de meu corpus de trabalho na tese, esses textos me ajudaram a formular algumas questões. Sendo assim, eu só tenho perguntas a fazer  e esse textos têm aqui um papel que eu poderia dizer que é metafórico. E isso não somente porque eu não trabalho diretamente com eles nas análises que faço para a tese mas porque eles estão no lugar de outros dizeres, de outros discursos. Eles evocam, pela ausência, discursos que poderiam ter figurado aí, e que poderiam ter inspirado uma análise mais ou menos nessa mesma direção.

Eu concluo assim com mais questões, provocações e com mais metáforas.

Virginie Despentes também:

Em que momento as mulheres se conectam com suas próprias fantasias, se elas não se tocam quando estão sós ? o que elas conhecem do que lhes excita mesmo ?

E aí, Angélica Freitas responde ( ?) :

era uma vez uma mulher que não perdia

a chance de enfiar o dedo no ânus

no próprio ou no dos outros

o polegar, o indicador, o médio

o anular ou o mindinho

sentia-se bem com o mindinho

nos outros, era sempre o médio

por ela, enfiava logo o polegar

não, nenhuma consequência

 

Références

Despentes, Virginie, 2006, King Kong théorie. Paris: Grasset.

Freitas,  Angélica, 2012, Um útero é de um tamanho de um punho. São Paulo: Cosac Naify.

Orlandi, Eni. Interpretação. São Paulo: Pontes.

Paveau, Marie-Anne, janvier 2012, Désir épistémologique et émotion scientifique. M.-A. Paveau pour La pensée du discours, Vases communicants. http://infusoir.hypotheses.org/2182

Paveau, Marie-Anne, 2014, le discours pornographique. Paris: La musardine.

Paveau, Marie-Anne, 2013, Langage et Moral. Pour une étique des vertus discursives. Limoges: Lambert-Lucas.

Pêcheux, Michel, 1983, Le discours: structure ou événement. Communication à la conférence "Marxisme and the interpretation of culture: limits, frontiers, boundaries. Université de l'Illinois, Urbana-Champaign, 6-12 juillet.

Zoppi-Fontana, Monica, 2005, Arquivo jurídico e exterioridade. A construção do corpus discursivo e sua descrição/interpretação. In: Guimarães, E., Brum de Paula, M.R. Sentido e Memória. Santa Mari: UFSM/Pontes.

 

 

  1. sobre a distinção entre uma perspectiva linguística que estabelece uma análise lexical e/ou sintática, ou ainda a questão da responsabilidade enunciativa e uma outra perspectiva, discursiva e pluridisciplinar, que por sua vez sustenta a ideia de uma ética discursiva, demonstrando que « não se pode dizer tudo », indico o livro Linguagem e Moral, sobre o qual se encontra uma apresentação aqui  []
  2. sobre esse tema, indico este lindo post que inspira muito a pensar sobre as emoções do pesquisador  []

Gloria França

Professora de francês, do departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão. Doctorante en cotutelle en Sciences du Langage, à l'Université Paris 13 et à l'Université de Campinas (Brésil).Doutoranda em co-tutela em Linguística na Université Paris 13 e na universidade de Campinas (UNICAMP). Ma thèse porte sur les discours sur le Brésil et sur les brésilien.ne.s, circulant dans le domaine du tourisme, en France et au Brésil. Minha tese trata dos discursos sobre o Brasil e sobre o.a.s brasileiro.a.s que circulam no campo do turismo, na França e no Brasil.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Une réflexion au sujet de « Virginie Despentes, Angélica Freitas… e minha tese? »

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *