Teoria e praxis política em análise dos discursos gendrados (2)

Lire en français

Artigo publicado sob licença Creative Commons que protege os direitos do autor numa política de partilha de informações aberta: é permitido comentar e compartilhar, não esquecendo de citar a fonte, e que seja sem fins comerciais.

Recebi diversos comentários ao meu post sobre « Teoria e praxis política em análise do discurso de gênero ». Foram proveitosas e enriquecedoras trocas e reações que se espalharam em diversos lugares: recebi comentários neste blog (tanto no post em francês, quanto no post em português) e,  principalmente, na minha página do facebook, onde eu compartilhei o link do blog.

Captura de Tela 2015-05-01 às 16.38.36

Além dessas contribuições, também fui agraciada por duas blogagens que foram reação à minha postagem: a Noémie publicou no blog dela, o post « L’inquiétude de la théorie et de la pratique – Réponse à Glória França » (« A inquietude da teoria e da prática – Resposta a Glória França », o texto foi publicado em francês). O texto dela surgiu de um acordo que estabelecemos, depois de conversarmos empolgadamente sobre essa questão, combinamos que escreveríamos em nossos respectivos blogs algo sobre essa nossa conversa. A segunda blogagem foi da Mariana Cestari, que  publicou em nosso blog coletivo, Mulheres em Discurso, o texto « Uma tomada de posição feminista e antiracista na Análise de Discurso ».  Há também trocas que se efetuaram no âmbito de mensagens privadas. Foram diversas questões que foram tocadas, algumas que eu não havia pensado no início, de modo que o meu post se viu aumentado, são questões que alimentam minha tese e que pretendo abordar neste blog científico à medida em que for pensando essas questões na tese.

Este post em específico vai numa tentativa de organizar, centralizar e fazer circular  (entre meus dois grupos de pesquisa, o do Brasil e o da França) uma parte dessas diferentes contribuições. Menciono os dois grupos, pois sei que os de cá (da França) não leram o que os de lá (do Brasil) escreveram, e vice-versa. Gostaria assim que essas palavras viajantes se encontrassem aqui neste post.

Apesar de saber da impossibilidade da exaustividade desta minha tentativa, vou mencionar alguns pontos sobre os modos como esses comentários aumentaram e enriqueceram as minhas reflexões.  Ao final do post, irei igualmente citar aqui as referências sugeridas pelos colegas que vieram contribuir com as trocas, a sugestão de leituras outras é em sim um reflexo desse aumento. Vários pontos foram tocados enquanto a minha postagem estava à deriva, navegando ao sabor das diferentes discussões que foram surgindo. A partir de todas essas contribuições, cito o que vou priorizar para seguir pensando: as diferentes reações, postagens, blogagens retomam pontos que se concentram em torno de noções, como:

-praxis, – reflexividade, – subjetivação, posição-sujeito, saberes situados.

A Mariana Cestari comentou no facebook (e a meu pedido, repostou o comentário aqui no blog), e aqui retranscrevo uma parte do seu comentário1 :

Foi com empolgação que encontrei (re)lançada por Glória a discussão sobre a relação entre prática e teoria na Análise de Discurso, agora à luz das reflexões sobre a teoria e práxis feminista. E com uma pergunta de Pêcheux, que tomo a liberdade de deslocar explicitamente (Glória de algum modo já o fez no texto): podemos (re)definir uma política da AD a partir de nossa tomada de posição feminista? Bom, ao invés de propor uma resposta aqui, retomo os comentários que postei na página pessoal no facebook de Glória e fico com o desafio de escrever um post sobre standpoint theory e AD (aliás Glória já respondeu a esse comentário, que ficou velho de ontem pra hoje?): O post me suscitou um outro texto de Dorlin, sua introdução ao Black Feminism Anthologie du féminisme africain-americain – 1975-2000, da L’Harmattan, 2008. Lá tem um debate que gostaria de seguir: sobre qual a função da reflexividade nos escritos das feministas depois da crítica ao “nós mulheres universalizante”. 

Eis um dos pontos que suscitaram nossas discussões:

qual a função da reflexividade? os saberes situados nos levam onde? Acho que isso se encontra perfeitamente com o que Noémie andou pensando, e que eu vou comentar mais embaixo sobre o que ela chama « enunciação de privilégio ». Se, dizer-nos « culpadas », « privilegiadas », não desfaz as culpas, ou privilégios, para que se o diz? Como tem funcionado, como tem contribuído, no que e para onde desloca a epistemologia dos saberes situados? É aqui que se toca na questão da praxis. (A noemie também contribui nesse sentido no seu texto que cito mais embaixo).

O comentário da Mari, ao texto em francês, é uma citação da Elsa Dorlin, na Introdução ao Black Feminism, citado pela Mari logo acima. Dorlin diz:

Le féminisme Noir a crée un electrochoc das la pensée féministe tout ao long de la décennie 80: ains, nombe d’intellctuelles blance, ont été non seulement contraintes de repenser ce qui jusqu’ici semblait évident (ce “Nous” de “Nous, le femmes”), mais aussi, et plus fondamentalement, de se décentrer de leur position dominante, et parlant de leur position de référence par définition “neutre”, en élucidant la position depuis laquelle elles ont pris et ou prennent la parole, comme les silences que leur paroles ont recouverts. (…) il ne suffit pas seulement d’énoncer d’où je parle pour que, comme par enchantement , les rapports au pouvoir au sein du féminisme s’évanuissent : ce serait confondre nos “différences” et nos “positions de pouvoir”. (…)La question n’est pas tant d’élucidation compatissante de ses privilèges – y compris des privilèges que conférait parfois la minorité (de genre, de sexualité, de couleur, de religion, de classe, etc.) -, que la réflexivité nécessaires sur ses propres valeurs et outils cognitifs (par exemple, le rapport entre sujet et objet de connaissance et de discours, ou la hierarchie implicite des types de discours) et politiques.2 .

Nas discussões que se seguiram a questão que se formulou, foi: como pensar discursivamente « reflexividade » e saberes situados?

A esse respeito, no meu facebook, Lauro Baldini contribuiu com um comentário que ajudou a formular melhor essa inquietação de pensar essa questão, que retoma a noção da praxis na AD. Ele disse:

Captura de Tela 2015-05-01 às 16.42.50

Com relação ao trecho em que você diz  » antes da teoria, o que eu vivia era a experiência da opressão, mas não a formulava », fico pensando, bem na direção do que você já está dizendo, é que nessa relação entre teoria e práxis o que se tem é justamente o surgimento de um objeto (por exemplo, a opressão) que passa a significar o sujeito e sua vida e permite novos movimentos de sentido. Essa « experiência de antes », então, talvez possa ser pensada como um a-posteriori, que é significado como antes (o que pode evitar certo sociologismo, talvez). Enfim, acho que já é isso o que você está dizendo.

Eu respondi ao Lauro que, sim, que

é isso mesmo, quando falei da « experiência da opressão » do « antes » era como uma extensão do que já identifico como um construto teórico

Mari, em diferentes comentários e na sua própria postagem, desenvolve reflexões que vão nessa direção. Estamos então, a partir da questão da praxis, nos aproximado da discussão dos saberes situados 

Ainda sobre a reflexividade, a Mari disse, no facebook:

Sim, a reflexividade ja é resultado, efeito, da interpelação, da inscrição em uma certa posição sujeito feminista. E como tomar posição diante disso?

E prossegue em resposta ao Lauro:

Lauro, agradeço por seu comentário! E de novo agradeço a Glória, por seu texto tão instigante. Para evitar o sociologismo, pensando a partir da AD sobre as « teorias do ponto de vista », talvez um caminho fosse pensar que na reflexividade que se nomeia e se interpreta a « experiência de antes », que este funcionamento é constitutivo de certas posições sujeito feministas, como disse Lauro, significando o sujeito em novos movimentos de sentido… Logo, não são os traços que caberia a sociologia descrever que definem um ponto de vista, mas os processos de subjetivação e tomada de posição.

E em relação ao meu comentário, ela responde e levanta questões:

devemos considerar como analistas de discurso que identidade e experiência comuns dizem de uma posição no discurso, um lugar de interpretação (“um a-posteriori que é significado como antes », como disse Lauro , e que projeta futuros. Seriam condição de possibilidade das utopias e dos projetos revolucionários?)

Tantas respostas e diálogos enriquecedores, que aqui tento insanamente reter, registrar, traduzir, foram no mesmo sentido da inquietação inicial que me fez escrever, que é a de assumir a posição teórica (posição-sujeito), a partir da qual nomeamos práticas discursivas, experiências e processos de identificação. Essa é uma reflexão suscitada pelo que propõe a epistemologia dos sabores situados, ela se encontra – como formulou Mari, como indicou Lauro e como apontei no meu texto – com aspectos já estabelecidos na AD. Podemos pensar discursivamente, e não sociologicamente ou empiricamente, isso que chamamos de experiências que são na verdade objetos que surgem nessa tensão teoria-praxis, são constituídos em processos de significação. Faço essa formulação a partir do comentário do Lauro que acabo de citar.

No post da Noémie, em resposta ao meu, que mencionei no início, ela conclui suas indagações, com um questionamento sobre esse modo de fazer a análise do discurso gendrado, de que falo no meu post (que é uma das questões centrais na minha tese):

Como fazer, desse modo, uma análise do discurso gendrado política? uma solução poderia ser de constantemente dizer e pensar essa inquietude du discurso, essa inquietude da ficção do sujeito, da contradição entre teoria e prática. Mas, uma vez ainda, isso não seria uma pirueta teórica?3

Como anunciado no início, a tentativa deste post é apenas reunir questões que foram sendo levantadas. Tentando resumir o que foi dito nos dois lados, retomo abertamente um post da Noémie no qual ela toca a questão da epistemologia dos saberes situados, assim o.a.s colegas que estão no Brasil podem ler um pouco do que ela escreveu e pensou sobre essa questão, ver o modo como isso me afetou em minhas próprias reflexões. E, também vai no outro sentido, pois este meu post tratando de todas as trocas, do mesmo modo, a Noemie e demais colegas poderão ter acesso ao que se passou em língua portuguesa, ainda incompreensível para eles. Sendo assim, vemos ser tocada uma questão que muito me interessa, e da qual este post é testemunha: o conhecimento só pode ser coletivo. Encerro, desde modo, com um comentário que fiz ao texto da Mari, texto  que já era uma reação ao meu, que ela escreveu e ao qual eu reagi nesse comentário (é assim mesmo, as trocas não param, felizmente!).

Esse meu comentário final mantem-se levantando questionamentos.   A respeito do texto da Mari, eu comento um excelente texto ao fim do seu post no qual se diz que « os nossos passos vêm de longe ». Em relação ao que menciona a Mari, imediatamente lembrei do trecho da Butler (2004), citado na conclusão do livro da Elsa Dorlin (2008), no qual ela diz:

 (( “Il s’agit de développer, dans la loi, dans la pscyhiatrie, dans la théorie sociale et littéraire un nouveau lexique légitimant la complexité du genre dans laquelle nous avons toujours vécu. Les normes qui gouvernent la réalité n’ayant pas admis que ces formes sont réelles, nous les appellerons, par nécessité, “nouvelles”. » ))

Trata-se de desenvolver, na lei, na psiquiatria, na teoria social e literária um novo léxico legitimando a complexidade do gênero na qual nós sempre vivemos. As normas que governam a realidade não tendo ainda admitido que essas formas são reais, nós as chamaremos, por necessidade, « novas ».

Os passos virem de longe significa também o fato de que tanto as opressões quanto as possíveis resistências “vêm de longe”. Algo que nos permite pensar que é possível “intervir” teoricamente na proposta de dar conta de diferentes (“diferentes” que, a gente por economia, como ela diz, pode chamar de “novos”) modos de subjetivação, ou de “diferentes” formas de individualização. Essa discussão, que eu publiquei no meu blog e que a Noemie prosseguiu no blog dela, é algo sobre o qual ela escreveu bastante no blog coletivo “vila reflexiva” e que muito me instiga a pensar também. Questões que cabem muito bem para o tipo de pensamento que a AD propõe, não acha? Retomo aqui em particular o texto, escrito pela Noémie, « Um ponto de vista sobre os saberes situados »‘. Ela aponta uma reflexão sobre a “epistemologia dos saberes situados”, da Donna Haraway (ou dos pontos de vista), a questão é de saber o que isso implica e quais os sempre existentes limites e contradições nessa “definição” do seu lugar e dos privilégios que aí existem. A Noémie propôs um nome para esse posicionamento, que se tornou um hábito em qualquer comunicação na área de gênero, ela chama de “enunciação de privilégio”, e ela usa essa categoria para se perguntar: e aí? A gente diz de onde está falando e ai? Isso basta? Ela esclarece que a epistemologia dos saberes situados não é, segundo a Haraway, redutível à única explicação ou enunciação empática de uma dada experiência. Acho que essas reflexões casam bem com o que a Mari menciona no seu texto e sobre o que Lauro nos fez pensar (como sempre) a respeito de vermos isso como um processo de identificação, ou como bem disse o Lauro, no comentário ao meu texto, “um a-posteriori que é significado como antes”.

De todo modo, acho que a epistemologia dos saberes situados nos permite pensar o lugar de onde nós propomos esse “projeto de leitura” de que o Pêcheux falava (e assim não cair no risco da “prótese de leitura”). Deixo aqui para a gente continuar pensando um trecho da própria Haraway sobre o que ela, a partir dos “saberes situados”, chama de “objetividade forte”. (isto foi citado no blog Vila, de que falei ali encima):

‪L’identité à soi-même est un mauvais système de vision. La fusion est une mauvaise stratégie de positionnement. L’identité, y compris l’identité à soi-même, ne produit pas de science; un positionnement critique le fait, l’objectivité.

Identificar-se consigo mesmo.a é um sistema de visão ruim, isso não produz ciência, diz ela (claro que ela por si deixa claro que se situa no saber « acadêmico » e disso ela tenta dar conta). Tem tambem o que diz a Scott, a partir de um outro ponto de vista, que a Noémie se pergunta se seria mais otimista ( ?) :

« Experience is at once always already an interpretation and something that needs to be interpreted. What counts as experience is never self-evident nor straightforward; it is always contested, and always therefore political. The study of experience, therefore, must call into question its originary status in historical explanation. »

Experência seria uma sempre-já interpretação, é no fim das contas, político. Falar de « experiência, nesse sentido, não seria reforçar o que a AD já propõe no conceito de ‘contradição » da constituição dos sujeitos e sentidos ? E, claro, dizer sujeito é dizer do proprio sujeito-leitor que é o analista. Será que pensar nesses termos nao nos permite dar conta (ainda que parcialmente) daquele primado da teoria sobre a prática que o Pêcheux já criticava em 78, aquela critica da forclusão do sujeito de leitura ?

***

Sugestões de leitura dadas pelas pessoas que comentaram o meu texto:

Rejane Arce: sugeriu sua tese (na qual ela retoma Eni Orlandi, « que se inspira de algum modo » em J. Jacques Rancière): http://cascavel.cpd.ufsm.br/tede/tde_busca/arquivo.php

Ela também, disse que « gosta do que Courtine diz sobre essa questão, « seja que pourra praticar uma AD é preciso ser linguista e esquecer que o somos », questão abordada em Orlandi, aqui: https://books.openedition.org/enseditions/1004

Sugestão da Mari:

O LUGAR DA PRÁXIS NA ANÁLISE DO DISCURSO e Uma Pedagogia Discursiva Contra-Hegemônica ‪http://seer.ufrgs.br/…/caderno…/article/view/26015/15230 e ‪http://www.periodicos.ufam.edu.br/…/relem/article/view/598

surtout ce que tu dis par rapport au politique en AD… à ce propos j’adhère à la réflexion de E. Orlandi, insipirée en quelque sorte par J. Jacques Rancière que j’adore également … j’ai parlé un peu de tout ça dans ma thèse http://cascavel.cpd.ufsm.br/tede/tde_busca/arquivo.php… … en tout cas, pour moi, toute pratique ou praxis est politique, même quand elle prétend ne pas être…à ce propos (du politique) j’aime bien ce que dit Courtine, soit: que pour pratiquer l’AD, il faut être linguiste et oublier qu’on l’est… cela est abordé par Orlandi ici https://books.openedition.org/enseditions/1004… à vrai dire, ça m’a rappelé plein de choses…

Rodrigo Fonseca, que fora chamado para a roda de conversa no meu mural, apontou que avançou nessas questões, em relação ao texto dele que a Mari sugeriu, na tese e no texto publicado na coletânea « O acontecimento do discurso no Brasil.

***

Agradeço imensamente pelas trocas, e, como disse a Mari, « avancemos…e para todos os lados! »

Para citar este texto: FRANCA, G., 24.06.2015, “ Teoria e praxis política em análise dos discursos gendrados » , Ces mots qui voyagent [Blog científico – Carnet de recherche] , http://cmqv.hypotheses.org/?p=209, consultado dia…

 

 

 

  1. O comentário pode ser lido integralmente aqui no blog, na postagem em português []
  2. Elsa DORLIN. “Introduction. Black feminism Revolution! La révolution du féminisme Noir!” Black feminism Anthologie du féminisme africain-américain, 1975-2000. L’Harmattan, 2008 []
  3.  Comment alors faire une analyse du discours genré politique ? Une solution pourrait être de constamment dire et penser cette inquiétude du discours, cette inquiétude de la fiction du sujet, de la contradiction entre théorie et pratique. Mais encore une fois, n’est- ce pas une pirouette théorique ? []

Gloria França

Professora de francês, do departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão. Doctorante en cotutelle en Sciences du Langage, à l'Université Paris 13 et à l'Université de Campinas (Brésil).Doutoranda em co-tutela em Linguística na Université Paris 13 e na universidade de Campinas (UNICAMP). Ma thèse porte sur les discours sur le Brésil et sur les brésilien.ne.s, circulant dans le domaine du tourisme, en France et au Brésil. Minha tese trata dos discursos sobre o Brasil e sobre o.a.s brasileiro.a.s que circulam no campo do turismo, na França e no Brasil.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *