Os discursos do turismo online e offline: questões de análise e reflexões teóricas

Lire en français

artigo publicado sob licença Creative Commons que protege os direitos do autor numa política de partilha de informações aberta: é permitido comentar e compartilhar, não esquecendo de citar a fonte, e que seja sem fins comerciais.

Nos dias 18 e 19 de maio de 2015, participei do Colóquio Internacional ICODOC 2015. Trata-se da primeira edição do colóquio internacional para doutorandos e jovens pesquisadores organizado pelo laboratório ICAR (CNRS, Universidade Lyon 2 e ENS de Lyon). Esse colóquio, pluridisciplinar, tinha dois eixos disciplinares principais, as Ciências da Linguagem e as Ciências da Educação e teve por título : « Corpus complexos e problemáticas metodológicas : da coleta de dados à análise ». 

No programa do colóquio, disponível online, fui alocada na sessão « terreno », (havia duas outras, a sessão « olhares cruzados » e a sessão « análises »). Na sessão « terreno » ficaram as comunicações que já continham alguma análise mas que traziam reflexão sobre o próprio fazer. De todo modo, neste momento de meu trabalho de tese, entre leituras e algumas tentativas de análise, numa indefinição na identificação da etapa exata em que me encontro, acho muito interessante a escolha que fazem entre uma « caixa » (sessão) e não outra, para colocarem as comunicações. Esse aspecto em particular é tratato no meu artigo quando falo da forma como a análise do discurso concebe o trabalho analítico : un vai e vem num continuum entre as descrições, passando por momentos de análise e chegando nos momentos dos gestos de interpretação, num processo dinâmico e que, sobretudo, distingue mas não separa esses diferentes momentos.

Em futuros posts, tornarei a tocar em diferentes reflexões surgidas quando da experiência desse colóquio, eu menciono, por enquanto, que a grande diversidade de trabalho com que tive contato durante os dois dias de colóquio foi certamente enriquecedora e não posso deixar de mencionar o clima de reflexão coletiva, de abertura e de críticas construtivas que apenas contribuiram a enriquecer ainda mais as discussões e as trocas ao longo de todo o colóquio. Pude entrar em contato com jovens pesquisadore.a.s, que trabalham com isso que chamamos « discurso » – sabendo-se que isso nomeia objetos de estudo bem diferentes -, e acho que, justamente, essa diversidade me fez pensar na importância de se estabelecer pontes entre o.a.s que seja utilizam termos próximos aos que utilizamos, seja os que não o fazem mas que se interessam a questões próximas às nossas.

Assim, este post tem como objetivo registrar essa minha participação, enquanto atividade de meu estágio doutoral na França, que tem o apoio da CAPES PDSE (3837/ 2014-09). Segue, logo abaixo, o resumo, na forma como ele foi publicado nos anais do evento e o sumário da minha apresentação, que é o sumário do artigo proveniente dessa comunicação.

Captura de Tela 2015-06-16 às 21.36.42

[ 1. Introdução

2. Gênero do discurso: duas orientações em meu trabalho

2.1 os objetivos e os critérios estabelecidos

2.2 dupla heterogeneidade do corpus

2.3 gêneros do discurso: ferramenta heurística

3. Reformulação da questão: de gênero do discurso a acontecimento discursivo

3.1 trajeto temático e acontecimento (evento)

3.2 a configuração temática do corpus

4. Questões para um fechamento]

Resumo submetido

Este trabalho se situa no contexto de minha pesquisa de doutorado sobre o discurso do turismo sobre o Brasil. A análise se concentra em guias de turismo (impressos) e, igualmente, em diferentes modalidades de producão e circulação desses discursos nos universos digitais. Minha pesquisa se situa no quadro teórico da análise do discurso, num ponto de encontro entre pesquisas feitas no Brasil, na filiação teórica a Michel Pêcheux, e na França, seguindo, em particular, os estudos realizados por Marie-Anne Paveau (2006, 2012, 2013, 2014).

Captura de Tela 2015-06-16 às 21.49.23

O corpus é constituído a partir de discursos sobre o Brasil produzidos em diferentes materialidades, tanto impressos quanto versões digitais, circulando na França e no Brasil, ao longo dos anos de 2013 e 2014. A constituição desse corpus, heterogêneo, coloca um certo número de questões quanto à decisão do que integrará o corpus, o que me leva a definir os critérios que enquadram tal constituição. Sigo, nesse sentido, as diferentes aberturas teóricas efetuadas nos trabalhos de Paveau (2012, 2013), a respeito do que esta autora sugere chamar de « quadros genéricos », em vistas de se poder dar conta tanto da heterogeneidade de certas materialidades quanto da distinção entre as características do texto e do discurso. Minha reflexão neste trabalho traz, desse modo, um questionamento sobre a forma como podemos trabalhar com um corpus de natureza híbrida, como é o caso dos materiais com que trabalho.

Captura de Tela 2015-06-16 às 21.49.41

Para realizar a análise, me posiciono na perspectiva que considera que as condições de produção e o interdiscurso determinam os fatos discursivos e, desse modo, é nesse sentido que, durante a constituição do corpus, estabeleço criérios de entrada, que se posicionam para além de qualquer binarismo, como os que consideram as distinções oralidade/escritura, vida privada/vida pública (é o caso dos blogs de viagem), etc.

Trata-se desse modo de uma posição teórico-metodológica baseada no pressuposto de que houve alguma modificação na constituição e na circulação dos objetos de saber com o ambiente digital, e que se baseia igualmente em conceitos desenvolvidos nos estudos de Paveau, a saber « universo discursivo digital », « ambiente digital », « tecnodiscurso », « gênero tecnodiscursivo ». Nesse sentido, questiono de que modo, por exemplo, as páginas Facebook do Ministério do Turismo brasileiro, os blogs de viagem, as publicidades turísticas circulando na web podem ser postas em relação com universos mais tradicionais, estáveis, e, talvez mais normatizados da parte « impressa » de meu corpus de trabalho.

Esses diferentes aspectos do corpus me posicionam na reflexão proposta pelo colóquio : por um lado, há a multisemioticidade do corpus com o qual trabalho : imagens, vídeos, em diferentes suportes ; de outro lado, há o aspecto digital, que concebo como um segundo ponto, de modo a não dar a entender que o corpus proveniente do ambiente digital seja considerado o « mesmo » com apenas uma mudança de suporte, em relação a ideia do suporte impresso. Esse aspecto põe em questão a própria noção de suporte enquanto categoria determinante para um corpus. Ao longo de análises já efetudas, formulei questões a respeito da forma como poderia construir o corpus. Considerando-se que os gêneros do discurso não são a questão central de meu trabalho de pesquisa, almejo discutir o papel dessa ferramenta enquanto um critério de classificação e de seleção, num primeiro momento, no trabalho de construção do corpus, e, uma vez o corpus constituído, posso verificar se a noção de gênero do discurso pode ter um papel durante a realização da análise. Pretendo além disso realizar uma reflexão em torno de uma análise que só pode ser qualitativa e manual, dada minha filiação teórica e a natureza do corpus. Este trabalho se posiciona em diversos dos eixos propostos pelo colóquio.

***

A versão final do artigo prolonga e acrescenta questionamentos que se encontram neste resumo.

***

 

Referências

Lagazzi-Rodrigues, S. (2011). « Stations dans la discursivité sociale : alternance et fenêtres », Astérion [En ligne], 8 | 2011, mis en ligne le 29 juillet 2011, consulté le 15 avril 2015. URL : http://asterion.revues.org/2073

Moirand, S. (1992) Des choix méthodologiques pour une linguistique de discours comparative. In: Langages, 26e année, n°105, 1992. pp. 28-41. doi : 10.3406/lgge.1992.1622. http://www. persee.fr/web/revues/home/prescript/article/lgge_0458- 726X_1992_num_26_105_1622

Moirand, S. (2004). «L’impossible clôture des corpus médiatiques. La mise au jour des observables entre catégorisation et contextualisation» publié dans Tranel (Travaux neuchâtelois de linguistique) 40, pp. 71-92.

Paveau, M-A., (2006). «Chronique «actualité». Le savoir sera collectif ou ne sera pas. Les nouvelles formes de la connaissance post-moderne», Le Français aujourd’hui, 2006/1 n° 152, p. 115-120. DOI : 10.3917/lfa.152.0115

Paveau M.-A., Rosier L. (2010). «Le discours des objets. Pratiques et techniques de circulation entre clandestinité et exhibition discursive», in López Muñoz J.M. et al. (eds), La circulation des discours : médias, mémoire et croyances, Çédille. Revista des estudios francese, Monografias 1, http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3399614

Paveau, M-A. (2013). Genre de discours et technologie discursive. Tweet, twittecriture et twitterature. [2012a]. in Ablali, D. (dir.). Pratiques, 157/158, « Théories et Pratiques des Genres », p. 7-30.

Paveau M.-A. 2012b (dir.) Texte, discours, interaction. Nouvelles épistémologies, Semen 34.

Pêcheux M., C. Haroche, P. Henry, (1971), «La sémantique et la coupure saussurienne», Langages 24, «Épistémologie de la linguistique», 93-106.?

Pêcheux, M. (1990). Discours: structure ou événement? In: MALDIDIER, D. L’Inquiétude du discours. Paris: Editions des Cendres, [1983].

Zoppi-Fontana, M. (2005). Arquivo jurídico e exterioridade. a construção do corpus discursivo e sua descrição/interpretação. In: Guimarães, e.; Brum de paula, m. r. (org.). Sentido e Memória. Santa Maria: UFSM/pontes.

Garric, N., Longhi, J. (2012/3). L’analyse de corpus face à l’hétérogénéité des données, dans Langages n° 187, 152 p.

Para citar este post:

Para citar este texto: FRANCA, G., 22.06.2015, « Os discursos do turismo online e offline: questões de análise e reflexões teóricas » , Ces mots qui voyagent [Blog científico – Carnet de recherche] , http://cmqv.hypotheses.org/?p=133, consultado dia…


Gloria França

Professora de francês, do departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão. Doctorante en cotutelle en Sciences du Langage, à l'Université Paris 13 et à l'Université de Campinas (Brésil).Doutoranda em co-tutela em Linguística na Université Paris 13 e na universidade de Campinas (UNICAMP). Ma thèse porte sur les discours sur le Brésil et sur les brésilien.ne.s, circulant dans le domaine du tourisme, en France et au Brésil. Minha tese trata dos discursos sobre o Brasil e sobre o.a.s brasileiro.a.s que circulam no campo do turismo, na França e no Brasil.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *