O dia em que fiz o roteiro de escrita da tese

Artigo publicado sob licença Creative Commons que protege os direitos do autor numa política de partilha de informações aberta: é permitido comentar e compartilhar, não esquecendo de citar a fonte, e que seja sem fins comerciais.

lire en français

É uma coisa bem simples, ele me disse, ele que é proprietário de uma editora francesa. Nesse momento em que eu o estava escutando, eu pensei que tinha mesmo que prestar bastante atenção no que ele me estava dizendo, já que ele tinha o hábito das leituras, das escritas e das releituras. E essa nossa conversa se deu logo após que ele nos contou sobre a tiragem do segundo livro do autor que tem editado e publicado. A respeito desse autor, que já foi traduzido em todas as línguas – europeias – e ganhou até mesmo diversos prêmios, dentre os quais o Goncourt dos alunos do Liceu (ensino médio francês), ele disse: Estou muito animado, acabo de termina a última revisão do livro, nós o enviamos hoje, ele me explicou logo a seguir com sua forma sempre clara de ilustrar o que diz, isto quer dizer que a gente não muda mais nada no livro, semana que vem vamos começar a imprimí-lo! Eu reconheci nele uma ansiedade parecida à que eu sentia enquanto eu contava para ele sobre a minha dificuldade/medo de fechar meu roteiro de escrita da tese e de começar finalmente a redação. E foi nesse momento, logo após minha explicação sobre as dificuldades da escrita, quando ele começou a falar, que decidi pegar meu caderno-de-notas-sobre-a-tese e minha caneta e o escutei mas, Glória, é muito simples, você faz três partes, disse ele, histórico-político-cultural, e essas três partes você divide cada uma em mais três partes, você me envia por e-mail seu roteiro de escrita amanhã às 17h! É uma coisa muito simples, ele repetiu, Quanto mais simples for, mais perto da nota 19 você chega1 Ele me dizia isso com o otimismo de quem não conhece as ansiedades e angústias constitutivas das pessoas das ciências humanas e, em particular, das pessoas que estão escrevendo uma tese. Tomei nota do que ele disse. Tomei nota do meu jeito, pegando o que ele estava dizendo, do seu lugar de editor, e adaptei a minha tese e a minhas leituras. Cheguei em casa agora, e lá fora o céu ainda está claro mesmo depois das 22h, e deve ser por conta do calor que fez hoje – chegando perto dos 30º durante a tarde – que estou com vontade de abrir uma cerveja Leffe, estou escutando Buena Vista Social Club, acabo de reler as anotações que fiz durante a conversa, estou terminando de redigir isto aqui com as ideias fervilhando e então eu vou escrever agora, às 23h27 meu roteiro de escrita da tese. Obrigada, Bernard.

Paris, verão 2015.

***

Escrevi este mini-texto para registrar, ritualizar (como sugeriu a minha co-orientadora), celebrar o dia em que minha tese começou a tomar forma. O primeiro passo foi o roteiro cuja primeira versão concretizou-se logo após a escrita do texto acima. Por enquanto, esse roteiro, que já sofreu várias modificações, tem duas partes divididas em 3 capítulos cada uma (eu estou contente com seus títulos, que tive que apagar para poder publicar aqui).

Captura de Tela 2015-09-17 às 20.30.43

  1. aqui ele está fazendo referência ao método de avaliação escolar francês que avalia numa escala de 0 a 20 []

Gloria França

Professora de francês, do departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão. Doctorante en cotutelle en Sciences du Langage, à l'Université Paris 13 et à l'Université de Campinas (Brésil).Doutoranda em co-tutela em Linguística na Université Paris 13 e na universidade de Campinas (UNICAMP). Ma thèse porte sur les discours sur le Brésil et sur les brésilien.ne.s, circulant dans le domaine du tourisme, en France et au Brésil. Minha tese trata dos discursos sobre o Brasil e sobre o.a.s brasileiro.a.s que circulam no campo do turismo, na França e no Brasil.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *