Archives par mot-clé : discurso

O.a.s brasileiro.a.s e as identificações gendradas: proposta teórica em análise do discurso

 

lire en français

artigo publicado sob licença Creative Commons que protege os direitos do autor numa política de partilha de informações aberta: é permitido comentar e compartilhar, não esquecendo de citar a fonte, e que seja sem fins comerciais.

No dia 31 de março, apresentei no Atelier de Recherches Linguistiques sur les genres et les sexualités (Ateliê de pesquisas linguísticas sobre os gêneros e as sexualidades), o trabalho « As identidades brasileiras gendradas: proposta teórica em análise do discurso ». O resumo em francês desse trabalho pode ser lido aqui. Neste post vou comentar o que desenvolvi nessa apresentação.

No âmbito da tese que preparo em Análise do discurso, desenvolvo um estudo em torno do que se pode chamar os estereótipos sobre o.a.s brasileiro.a.s. Me interesso pelos discursos produzidos no contexto do turismo, circulando na França ou no Brasil. A proposta, que se baseia na hipótese de que essas produções discursivas (= estereótipos) são processos de identificação gendrados, é uma reflexão sobre as possibilidades de articulação dos estudos de gênero e da teoria do discurso (materialista), para analisar a formulação  e a circulação desses discursos. Trata-se de um trabalho que é fruto de trocas e de uma construção coletiva. Primeiramente, no grupo Mulheres em Discurso/CNPq, UNICAMP. E mais, recentemente, no laboratório Pléiade (Paris 13), onde realizo estágio doutoral com bolsa CAPES PDSE.

Captura de Tela 2015-05-13 às 12.14.40

Na primeira parte da apresentação explicitei o percurso feito desde a minha dissertação de mestrado (feito entre 2010-2012, na Universidade Paris 3 – Sorbonne Nouvelle, equipe CEDISCOR), onde iniciei as reflexões que se ampliaram no meu projeto de tese. Detalhei o modo como temos trabalhado no grupo Mulheres em Discurso  nas tentativas de se pensar, dentro da Análise do discurso materialista, as questões de gênero, raça, sexualidade, dentre outras. Retomei questões que formulei para a apresentação do meu trabalho no Seminário de Análise do Discurso, VI SEAD –  2013. Nesse texto, de 2013,  que pode ser lido aqui, mencionei o fato de que pensar discursivamente as questões de gênero se constitui numa tomada de posição teórica e política na análise do discurso. (Este ponto foi discutido no meu post precedente)

Na segunda parte da apresentação, teci formulações possíveis sobre o modo como podemos pensar o gênero mantendo-se as premissas teóricas da análise do discurso: falei sobre o processo de interpelação do sujeito. Como exercício de análise, apresentei alguns gestos de interpretação feitos a partir desse olhar (gendrado). Retomei a questão de uma determinada « memória da colonização », trabalho apresentado no Fazendo Gênero, 10, em 2013, e aprofundando no GEL, 2014. Um segundo exemplo foi a análise feita em co-autoria com Tyara Veriato, no trabalho apresentado no IGALA e no grupo de discussões. E, ao final uma análise apresentada na ALFAL sobre o turismo sexual e categoria discursiva do cinismo. Esses dois últimos textos ainda não foram publicados, mas serão disponibilizados em breve numa versão pré-print.

Referências utilizadas para a comunicação:

BUTLER, Judith. (2002 [1997]). La vie psychique du pouvoir. Paris : Léo Scheer.
CONEIN, B., PÊCHEUX, M. et al., eds (1981), Matérialités discursives, Presses Universitaires de Lille.
COURTINE, J.J. (1982), Analyse du discours politique. Le discours communiste adressé aux chrétiens, Langages, N°62.
DORLIN, Elsa (dir.) (2009). Sexe, race, classe, pour une épistémologie de la domination. Paris : PUF.
FRANÇA, G. (2013). Entre ditos e não-ditos. A imagem da mulher brasileira no discurso do turismo. Disponible sur: https://www.academia.edu/10352416
____. (2014). Turismo sexual e cinismo. João Pessoa, ALFAL. Version Manuscrite.
FRANÇA et VERIATO. (2014). Stereotypes and resignifications in the meanings of « puta ». Vancouver: IGALA. Version Manuscrite.
GUILHAUMOU, Jacques. Où va l’analyse de discours ? Autour de la notion de formation discursive. Texto ! juin 2004 [en ligne]. Disponible sur : <http://www.revue-texto.net/Inedits/Guilhaumou_AD.html>. (Consultée le 14 mai 2012)
HAROCHE, C., HENRY, P., PÊCHEUX ; M. (1971) La sémantique et la coupure sausurienne : langue, langage, discours, Langages , n°24, pp. 93-106.
ORLANDI, Eni. (2012). “Por uma teoria discursiva do sujeito”, in Discurso em Análise. Sujeito, sentido e ideologia. Campinas: Pontes.
PAVEAU, Marie-Anne. (2010). « Norme, idéologie, imaginaire. Les rituels de l’interpellation dans la perspective d’une philosophie du discours ». in : CORELA – Números thématiquesL’interpellation. URL : http://corela.edel.univ-poitiers.fr/index.pxp?id=1797.
PÊCHEUX, Michel. PÊCHEUX M. (1990) [1977], Remontons de Foucault à Spinoza in L’inquiétude du discours, textes de Michel Pêcheux présentés par Denise Maldidier, Paris, Editions des Cendres.
_____. (1978) “Il n’y a de cause que de ce qui cloche”. in: Maldidier, D. (1990) L’inquiétude du discours. Textes de Michel Pêcheux choisi et présentés par Denise Maldidier. Paris: Éditions des Cendres.
____. (1982). “Délimitations, retournements, déplacements”. traduction de José Horta Nunes,  publié sur Revistas IEL Unicamp (1990). Delimitaçoes, Inversões, Deslocamentos. Disponible en ligne:  http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/cel/article/view/3011/4094
SCHAFFAUSER, Thierry. (2014). Les luttes des putes. Paris: La fabrique éditions.
ZOPPI-FONTANA, Monica. (2013). Communication SEAD - table ronde Analyse du discours et formation discursive”: “Présentation du groupe Femmes en Discours. Séminaire en Analyse du Discours. VI SEAD, Porto Alegre, Brasil.