O dia em que fiz o roteiro de escrita da tese

Artigo publicado sob licença Creative Commons que protege os direitos do autor numa política de partilha de informações aberta: é permitido comentar e compartilhar, não esquecendo de citar a fonte, e que seja sem fins comerciais.

lire en français

É uma coisa bem simples, ele me disse, ele que é proprietário de uma editora francesa. Nesse momento em que eu o estava escutando, eu pensei que tinha mesmo que prestar bastante atenção no que ele me estava dizendo, já que ele tinha o hábito das leituras, das escritas e das releituras. E essa nossa conversa se deu logo após que ele nos contou sobre a tiragem do segundo livro do autor que tem editado e publicado. A respeito desse autor, que já foi traduzido em todas as línguas – europeias – e ganhou até mesmo diversos prêmios, dentre os quais o Goncourt dos alunos do Liceu (ensino médio francês), ele disse: Estou muito animado, acabo de termina a última revisão do livro, nós o enviamos hoje, ele me explicou logo a seguir com sua forma sempre clara de ilustrar o que diz, isto quer dizer que a gente não muda mais nada no livro, semana que vem vamos começar a imprimí-lo! Eu reconheci nele uma ansiedade parecida à que eu sentia enquanto eu contava para ele sobre a minha dificuldade/medo de fechar meu roteiro de escrita da tese e de começar finalmente a redação. E foi nesse momento, logo após minha explicação sobre as dificuldades da escrita, quando ele começou a falar, que decidi pegar meu caderno-de-notas-sobre-a-tese e minha caneta e o escutei mas, Glória, é muito simples, você faz três partes, disse ele, histórico-político-cultural, e essas três partes você divide cada uma em mais três partes, você me envia por e-mail seu roteiro de escrita amanhã às 17h! É uma coisa muito simples, ele repetiu, Quanto mais simples for, mais perto da nota 19 você chega1 Ele me dizia isso com o otimismo de quem não conhece as ansiedades e angústias constitutivas das pessoas das ciências humanas e, em particular, das pessoas que estão escrevendo uma tese. Tomei nota do que ele disse. Tomei nota do meu jeito, pegando o que ele estava dizendo, do seu lugar de editor, e adaptei a minha tese e a minhas leituras. Cheguei em casa agora, e lá fora o céu ainda está claro mesmo depois das 22h, e deve ser por conta do calor que fez hoje – chegando perto dos 30º durante a tarde – que estou com vontade de abrir uma cerveja Leffe, estou escutando Buena Vista Social Club, acabo de reler as anotações que fiz durante a conversa, estou terminando de redigir isto aqui com as ideias fervilhando e então eu vou escrever agora, às 23h27 meu roteiro de escrita da tese. Obrigada, Bernard.

Paris, verão 2015.

***

Escrevi este mini-texto para registrar, ritualizar (como sugeriu a minha co-orientadora), celebrar o dia em que minha tese começou a tomar forma. O primeiro passo foi o roteiro cuja primeira versão concretizou-se logo após a escrita do texto acima. Por enquanto, esse roteiro, que já sofreu várias modificações, tem duas partes divididas em 3 capítulos cada uma (eu estou contente com seus títulos, que tive que apagar para poder publicar aqui).

Captura de Tela 2015-09-17 às 20.30.43

  1. aqui ele está fazendo referência ao método de avaliação escolar francês que avalia numa escala de 0 a 20 []

Gloria França

Professora de francês, do departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão. Doutora em Linguística, pelo IEL/UNICAMP, e docteure en Sciences du Langage, pela Université Paris 13 Sorbonne PAris Cité. Áreas de interesse de pesquisa: questões de gênero e raça na análise do discurso ; discurso e ensino de línguas; didática de ensino de francês (FLE); brasilidade; relações França/Brasil; memória e discurso, dentre outras.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *